quarto vermelho

Da Literatura para o Quarto Vermelho

Talvez não seja difícil saberem ao que me refiro…. Mas mesmo assim faço a alusão ao livro que mudou a vida de tantas mulheres e provavelmente também, de muitos homens, “As Cinquenta Sombras de Grey“.

50 sombras de grey

Devo confessar que, quando inicialmente ouvi falar do livro, não conseguia perceber porquê tanto alarido com a história, mas quando o comecei a ler depressa compreendi!

Principalmente no primeiro livro, as descrições que se passam no quarto vermelho são absolutamente deliciosas, cada descrição faz-nos imaginar um mundo com o nosso príncipe encantado, mas que nele veste ao mesmo tempo, a pele de um lobo mau que nos vai castigar mas afinal o seu castigo não podia ser melhor, dar-nos prazer apesar de o fazer de forma estranha para muitos, no entanto, para outros o bondage e o BDSM são a única forma de atingir prazer!

Quando li umas das primeiras descrições do quarto vermelho, estava com um homem que possa dizer que era submisso, nesta história a versão é ao contrário, eu sou a Dominadora e ele o Submisso.

Decidi criar a minha própria versão de “50 Sombras de Grey”, iniciamos a noite com um jantar, carregado de bom vinho e caviar para acompanhar, já sentia a sua falta, tinha passado demasiado tempo desde a última vez que nos encontrámos, somos ambos casados mas os nossos relacionamentos amorosos não nos dão tudo o que é necessário!

As nossas caras metades nem sabe do nosso fetiche sexual, que para eles não passa de um fetiche bizarro e estranho, mas a “Dominação e Submissão“, como estava a dizer, há muito que não nos víamos mas a paixão continuava lá instalada, passámos o jantar todo em aquecimento para o que viria a seguir.

Alugámos um quarto num motel de 5 estrelas, as paredes eram vermelhas mas tinha bom aspecto, informei o meu marido que nesse noite iria sair com as minhas amigas, claro que vou chegar tarde. O material estava todo na minha mala de cabedal, chicote sexual, bolinhas de prazer e claro que não podia deixar de ser as minhas algemas.

quarto vermelho

Como meu submisso, a única coisa a que teve direito foi de continuar de boxer’s, sou a única que o pode tratar assim, chamo-lhe nomes e piso-o como verme que é mas não é por isso que ele deixa de me adorar.

A minha indumentária é a normal de uma dominadora, vestido preto de pele e botas altas, claro que não deixei o meu chicote sexual de fora, só o posso usar quando estou com ele. Sinto a sua adoração quando me lambe as botas, não deixa nem um cm de pele por lamber, chamo-lhe nomes e passo por cima dele como se fosse um tapete, geme de dor e de prazer.

quarto vermelho - chicote sexual

Ele tem as mãos presas atrás das costas, não se pode movimentar, dou-lhe com o chicote durante algum tempo, adoro castigá-lo naquele quarto vermelho, sei que já está louco de prazer e que me quer penetrar de todas as formas mas quanto mais ele implora mais eu o trato mal!!! Terá sido vingança por não nos vermos durante tanto tempo? 

Acho que não, o castigo excita-o e castigá-lo dá-me tesão para o que advém… Depois de duas horas a castigá-lo, esqueci-me de referir que umas das brincadeiras que apliquei nele depois de ter lido o livro, foi o gelo, de olhos vendados não sabia o que o esperava, serviu para baixar o seu pénis que quase que explodia…

Parei de o tratar mal e deixei que me possuísse naquela cama, também vermelha, a primeira e a segunda vez foram rápidas, mas a terceira penetração levou-me ao céu… Talvez me tenha sentido um pouco arrependida por o ter castigado, mas ele é meu e só meu submisso mais ninguém lhe pode tocar… Mas naquele momento o cume de prazer foi atingido por ambos!

2 thoughts on “Da Literatura para o Quarto Vermelho”

  1. Olá Magda, Já li os livros, é tudo…contagiante!
    Quero ir ver o filme mas a critica diz que fica aquém dos livros, como é habitual, porque um livro tem poder de libertar a nossa imaginação. Ainda assim irei ver!

    Muito obrigada pela tua historia! Adorei a tua mala, o máximo!!! É excitante só tu e ele saberem que aquela mala de pele que transportas na mão, carrega os meios do castigo, da dominação.

    Quero muito alargar o meu campo da dominação a outros acessórios como o chicote ou a cana, mas isso poderemos falar depois.

    De facto cada um pode fazer a sua própria versão das 50 sobras de Gray.

    Raquel

    1. Bom dia Raquel,

      Antes de mais, muito obrigada pelo seu comentário. De facto, na minha humilde opinião, acho que o livro só veio abrir mais os horizontes de uma sociedade que ainda se mostra demasiado fechado a algo que já existe há tantos anos!
      Bem sei que nem todos concordam com algumas das abordagens feitas pelo livro, mas lembrem-se sempre que cada pessoa tira as elações que desejar quando termina de ler o ou os livros! É uma leitura fácil e ao mesmo tempo apaixonante, deixem-se levar pelas descrições e realmente criem o vosso próprio “quarto vermelho”…
      Divirtam-se sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.